terça-feira, 6 de junho de 2017

Obesidade infantil: Especialistas destacam 10 principais condutas para evitar

Resultado de imagem para obesidade infantil desenho

Alimentação equilibrada, exemplo dos pais e atividades físicas são algumas das medidas


“Comer, comer, é o melhor para poder crescer”. Pais já devem ter cantado essa música em algum momento da vida dos filhos para estimulá-los a comer. Porém, na ansiedade por vê-los alimentados, acabam cometendo erros que podem refletir no peso da criança: liberar guloseimas, não criar regras de alimentação e não ofertar variedades de alimentos. Associado a isso, há ainda dispositivos, como videogames, celulares e computadores, que distraem e afastam os pequenos das atividades que queimariam calorias.

Diante desses fatores, crianças crescem com sobrepeso e/ou mesmo obesidade, podendo prejudicar suas saúdes físicas e mentais para o resto da vida. Segundo o IBGE, cerca de 15% das crianças brasileiras estão acima do peso, e, na região Sudeste o número é ainda mais preocupante: o índice chega a 38% entre os pequenos de 5 a 9 anos.


Especialistas da Rede D’Or São Luiz respondem dez perguntas com orientações aos pais, indicando estratégias e dicas para ajudar na alimentação infantil. Há participação da pediatra do Hospital Barra D’Or, Dra. Carla Dall Olio; da nutricionista do Hospital Oeste D’Or, Deise Barcellos; da endocrinologista pediátrica do Hospital Barra D’Or, Dra. Fernanda Pereira André; e da psicóloga do Hospital Quinta D’Or, Dra. Fernanda Starling.


1 – Como incentivar uma dieta equilibrada em substituição aos produtos industrializados?
- Pediatra: Sim. A família precisa avaliar o que consome, pois, os hábitos das crianças refletem geralmente os hábitos dos seus cuidadores, especialmente daqueles que fazem as refeições juntos. Ofertar os alimentos saudáveis de forma natural e rotineira ajuda a introduzir novos costumes. A alimentação saudável é mais facilmente implementada se a família desejar de fato e focar neste estilo de vida. Se a criança não entende aquela mudança como boa para todos, ela vai sentir-se punida ou mesmo excluída da rotina dos pais e cuidadores, e não haverá adesão aos novos hábitos.


2 – Quais as dicas para os pais que não têm tempo para preparar refeições adequadas para os filhos?
- Pediatra: Quando se tem filhos, os pais precisam se organizar já de imediato com diversos horários e regras: para bom sono, bom crescimento e desenvolvimento, e tudo que envolve uma vida saudável. Na alimentação, há formas de preparo antecipado que facilitam o dia a dia.
O ideal é ir às compras pensando no cardápio da semana, que deve abranger, inclusive, os adultos. Por exemplo, as porções de legumes podem ser fracionadas e separadas em potes (após higienização), e irem sendo consumidas em saladas, purês ou sopas. As folhas também podem ser lavadas e guardadas, já limpas, na geladeira e serem consumidas ao longo dos dias. Uma outra indicação é evitar comprar sucos industrializados e preparar sucos de fruta na hora do consumo. Se a correria não permitir, congele as frutas como morango ou manga. Desta forma é possível oferecer mais nutrientes e menos açucares do que os que agregam os sucos prontos; entre outras medidas simples.


3 – O que não deve faltar na alimentação de uma criança?
- Nutricionista: Diversidade. Precisamos ofertar tudo para as crianças quebrarem os preconceitos do sabor, dentro do que seja adequado. O ideal é que seja realizada uma avaliação individual, com a análise dos hábitos alimentares e das condições do organismo. O cardápio das crianças deve conter porções adequadas e balanceadas nutricionalmente, de acordo com a faixa etária. De forma geral, a dieta deve ser rica em frutas, legumes, verduras, fontes de proteínas magras e cereais integrais.


4 – Obesidade sempre está ligada a ingestão gorduras e açúcares? Fale sobre isso.
- Pediatra: A obesidade é fruto da má alimentação associada ao sedentarismo. Com relação aos grupos alimentares, os carboidratos e lipídios são os de maior teor calórico e vilões nas dietas de emagrecimentos. Contudo, quando se pensa em alimentação infantil não devemos esquecer que este indivíduo está em fase de extremo desenvolvimento físico e mental. Portanto, dietas restritivas de qualquer grupo para crianças são perigosas e só podem ser prescritas por nutrólogos, nutricionista, endocrinologistas ou pediatras, de acordo com o diagnóstico do paciente.


5 – Criança com peso “normal” significa que seja saudável?
- Pediatra: Além do peso, avaliamos dados como a altura e o IMC (índice de massa corporal) de acordo com a faixa etária e sexo. O conjunto destas informações antropométricas é um sinalizador se a saúde está ou não presente neste paciente de modo geral. Mas existem pacientes que têm estes índices normais, porém obtidos de uma alimentação desequilibrada, que vão repetir em alterações do colesterol, triglicerídeos, glicemia (levando ao diabetes) e até mesmo anemias por baixa ingestão de ferro ou vitamina B. Para tal avaliação, a consulta pediátrica de rotina para seguimento do paciente é importante, pois de acordo com as informações sobre os hábitos alimentares e o exame físico (observando além do peso, o indivíduo e em especial a pele, cabelo, unhas e pressão arterial).


6 – De um lado crianças com sobrepeso/obesidade e do outro uma geração focada no “fitness”, mesmo tão novos. Qual seria o perfil para uma criança saudável?
- Nutricionista: Tudo é um equilíbrio, e o mais importante é respeitar o biotipo da criança. Além disso, é indicado orientá-las quanto ao respeito as diferenças estéticas de cada indivíduo, e evitar a exposição as mídias que estimulam o culto ao corpo. Contudo, é imprescindível manter o diálogo saudável entre a família e a criança sobre o assunto.


7 – Pais obesos terão filhos obesos?
- Endocrinologista: Existem genes envolvidos com a obesidade. No entanto, a principal causa de obesidade é excesso de calorias por aumento de consumo e pouca perda. Quando se faz o inquérito alimentar de uma família onde todos estão obesos, observa-se, em quase sua totalidade, maus hábitos alimentares nos pais e filhos. O sedentarismo também é muitas vezes observado. Se esses pais corrigirem seus maus hábitos alimentares e estimularem a atividade física das crianças, seus filhos não serão necessariamente obesos.


8 – Criança pode tomar remédio para emagrecer? Quais os riscos?
- Endocrinologista: Para crianças o ideal é reeducação alimentar, atividade física e suporte psicológico. Terapia medicamentosa só está liberada para adolescentes, sob prescrição médica, e há poucas opções. As medicações podem levar à perda de vitaminas lipossolúveis e podem agir no sistema nervoso central e ainda aumentar a pressão arterial – potencializando o risco infarto.


9 – Como os pais podem conversar com os filhos que estejam sofrendo devido sua aparência física?
- Psicóloga: É fundamental uma escuta atenta para entender melhor o que está acontecendo. Não minimizar o sofrimento da criança, de forma que ela se sinta acolhida, ajudando-a a encontrar um caminho para melhorar o sentimento que a criança tem de si mesma. Além disso, é importante procurar a coordenação pedagógica do colégio para que possa ser feito um trabalho com o grupo em que a criança está inserida. Muitas vezes, o amiguinho que produz esses ataques é o que mais está precisando de ajuda. Em caso de muito sofrimento psíquico os pais devem procurar um profissional.


10 – Pais devem oferecer algum tipo de compensação para que a criança se dedique a uma dieta?
- Psicóloga: Tendo em vista que mudanças apenas serão efetivas se baseadas em motivações internas, em vez de propor recompensas, se torna mais importante ajudar na percepção de que a perda de peso e o bem-estar que advém já serão a realização desejada.

por: Especialistas da Rede D’Or São Luiz

Nenhum comentário:

Postar um comentário

obrigada pelo comentário!