quinta-feira, 11 de maio de 2017

beijando o filho na boca


Não sou uma pessoa que gosta de polêmica, bate boca e afins.

Respeito e gosto de ser respeitada em minhas opiniões, esses dia uma pessoa me perguntou o que acho de pais que beijam as crianças na boca.

pois então! vou dar MINHA OPINIÃO
Então... vamos lá!


Tem uma foto (uma não, várias) do casal pais do momento





mas não são só eles não, sei que tem uma galera que tem esse hábito, essa demostração de afeto.


 Resultado de imagem para beijar filho na boca


Mas Adriana, o que tem de mais? são pais que ama seus filhos e assim demonstram esse amor


Entendo gente, porém vamos lembrar alguns fatos:

  1. Antes de tudo é a transmissão de bactérias as quais os bebês ainda não possuem defesas. 
  2. O estalinho pode transmitir algumas doenças, como herpes simples, micoses e outras infecções causadas por vírus (Mesmo que o adulto não esteja doente, ele pode trazer esses vírus na boca) 
  3. E quando essa criança está na escola poderá repetir esse comportamento com a professora ou algum colega! 
  4. Além da erotização, algo que eles não estão carecendo no momento né? 

Vou contar de uma fase que MiMi passou aqui, que ela nos via nos beijando ou olhava na tv e queria imitar, sem saber é obvio, que essa demonstração de afeto não condiz com a idade dela, que isso é coisa de gente grande.


Não estou aqui dizendo que estou certa e vc que faz está errada, porém só estou pedindo para vc pensar um pouco sobre isso, sobre as consequências das ações, da necessidade de vc colocar para a criança que sim, tem coisas para crianças e tem coisas para adultos e beijar na boca ela irá assim que for grande e tiver seu namorado(a)

Esse assunto vem pra junto dessa campanha:



criança não beija na boca e não namora. Criança tem amiguinhos mais chegados ou não

De acordo com a psicopedagoga Giselle Castro Fernandes

“Na família existe o papel do pai e da mãe – que, juntos, formam um casal que dorme junto, que beija na boca! O papel dos filhos é outro. São crianças, e criança não beija na boca, não dorme na cama dos pais, etc. Trata-se de demarcar esses limites de maneira bem clara. Do contrário, fica difícil definir o papel do adulto e da criança. Para ela, criança, dar o “selinho” é o mesmo que namorar.”. Enfatiza ainda que “Filhinho (a) não é namorado e, portanto, não beija igual. Beija no rosto, abraça, acaricia, mas nada que se confunda com o carinho ou com o amor do adulto, do casal...Amor entre adultos é diferente do amor pelas crianças, pelos filhos. Portanto, o beijo é também diferente e nem por isso menos carinhoso!”


Espero ter ajudado



Nenhum comentário:

Postar um comentário

obrigada pelo comentário!