quarta-feira, 20 de abril de 2016

Reflexão sobre "deixar o ferimento arder"

Eu recebi esse texto em um grupo do WhatsApp e achei tão verdadeiro! Resolvi postar aqui pra deixar a reflexão pra vocês!

(Se o autor do texto aparecer, deixa um comentário que eu dou os créditos)



Merthiolate

Quem tem um pouco mais de “experiência”, para não dizer idade, ainda é capaz  de lembrar do ardor causado pelo Merthiolate, que é um anti-séptico para ferimentos.
Eu, moleca que era, vivia ralando os joelhos, cotovelos e o que mais conseguisse, e não sei o que era pior: a dor do ferimento ou o ardor do Merthiolate.
Ainda ouvia da minha mãe que “se ardia era bom porque estava matando as bactérias”... Ela nunca assoprava, o que na época, eu achava sádico, mas hoje sabemos que era sábio, afinal, quando se assopra uma ferida, podemos infectá-la ainda mais com as bactérias presentes na boca.
Enfim, cair primeiro doía e depois ardia. 
Com o tempo, o Merthiolate criou uma fórmula que não arde. Não arde.
Com o tempo, não permitimos que nossos filhos sintam nem o ardor do Merthiolate, nem os ardores da vida.
Estamos criando uma geração que não sabe o que é ardor, fome, sede, espera, paciência.
Carregamos um kit completo anti “pitis” na bolsa, com água, bolachas, celular, tablet, caderno, lápis, analgésico. Nossos filhos não podem esperar.
Esperar meia hora, quarenta minutos por uma comida? Jamais! Dez minutos por uma água? Não! 
Não podem ir a restaurantes sem espaço para crianças porque não suportarão a permanência no local.
O que estamos criando?
Nossas esperas foram boas e até hoje a vida nos ensina a esperar. 
Certamente, nesse exato momento, você está esperando por algo: uma cura, uma promoção, uma ligação, comprar uma casa, um carro, uma viagem, engravidar, um namorado, qualquer coisa. Você está esperando. E sua mãe não tem a solução de seus problemas na bolsa dela...
As crianças devem e podem esperar. 
Nós, como pais, temos a obrigação de ensiná-los a esperar porque temos que prepará-los para a vida como ela é.
A criança tem uma necessidade, fica chata, não temos paciência e damos o que ela quiser. Qualquer coisa.
Ferrari? Paris? Gucci? Qualquer coisa, mas pare de birra!
E assim, nossa baixa resistência aos apelos dos filhos nos levam ao erro. 
Nada mais arde. Nem Merthiolate.
Na verdade, tudo continua ardendo, apenas damos-lhes a falsa sensação de que nada mais arde, de que tudo é imediato.
É isso que queremos ensinar?
Reflita.


Eu senti várias coisas ao ler esse texto, foi um tapa na cara em vários aspectos. A gente tem esse sentimento de leoa, de querer proteger a qualquer custo nossos filhos e acabamos blindando eles das pequenas dores e desapontamentos.

Prometo que vou tentar soltar um pouco, falar mais nãos (e sustentá-los), ensinar a esperar, a ter paciência e assim, fazer dessa jornada um caminho melhor.

O que vocês acham?

Um comentário:

  1. foi um tapa pra mim tb! ainda que sou divorciada e existe uma "disputa branca" em curso.....Repensando em 3...2...1

    ResponderExcluir

obrigada pelo comentário!