quarta-feira, 8 de maio de 2013

Ser Mãe Solteira



Não é raro ouvir de alguma amiga casada: “Uau, que legal! Você tem tempo livre e pode fazer o que quiser em dois finais de semana por mês, que máximo!”. Véi... vou contar umas verdades pra vocês. Esse negócio de ser (mãe) solteira é um saco. Mãe solteira é aquele ser que fica no purgatório do estado civil, tipo, não é gatinha pra sair de balada porque né, já passei dessa fase e tenho filho pra criar; não tem par pra fazer figuração nas festas da família e das amigas. Fica aquele negócio estranho. Estranho pra moça avulsa, estranho pra quem está em volta. 

Ser mãe solteira é girar pratinhos com as duas mãos e se possível se equilibrar em cima de uma bola, tudo ao mesmo tempo. É casa pra administrar, contas pra pagar sozinha, filho doente, filho insone as três da manhã e só ter eu pra ir flutuando até o quarto dele, mãe doente (e quem cuida?), levar filho na escola, buscar filho na escola, carregar compra de mercado sozinha, ataque de bode de filho naquele dia que se está só o pó, comer comida fria, aliás, ter saco pra fazer comida pra uma, já que o filho é picky eater, só assistir Discovery Kids e estar tão cansada depois que o filho dorme, que nem se lembra que existem outros canais na TV a cabo. Tomô? 

Já faz sete meses que me separei oficialmente e até hoje ainda me sinto deslocada. Fico meio cachorro em dia de mudança nos finais de semana que não tenho meu filho comigo. Não sou das baladas, já falei sobre isso aqui; me falta traquejo social. Fico perdida em casa, me enfio debaixo da saia da minha mãe, saio eventualmente. Tive um namoriquinho relâmpago - se é que posso chamar assim - que me deu um gostinho do mundo lá fora. E volto eu pro mercado, depois de 1, 2, 3... 15 anos fora. Não é legal, gente. Não é. Não me entenda mal, é óóótimo namorar, adoro, mas é um saco todo esse processo de pré-venda. 

Tudo o que eu planejo fazer nos finais de semana que estou sozinha não se concretiza. Tipo, mudei de casa faz 3 meses, que está a cara do caos, nem cortina na sala eu tenho, afinal, precido de ajuda masculina pra furar a parede e cadê? Raramente fico sozinha, apesar de gostar bastante de ficar só. Me dou bem comigo. Logo que me separei, as pessoas não me deixavam ficar sozinhas, literalmente me adotaram, o que no fim das contas foi bom, pois com toda a bagunça que estava vivendo naquele momento – separação, vendi casa, perdi emprego, arrumei emprego, comprei casa, etc. etc. - era aceitar a companhia ou me jogar da ponte, tamanha depressão. #DRAMAQUEEN 

É um processo lento de reaprender a viver sem ter alguém sempre do lado. Tem vantagens e desvantagens, como tudo nessa vida. Lembro que posso dormir até mais tarde no domingo e sorrio, mas meu relógio biológico já altamente danificado me faz despertar as 6:30 com o bônus de ouvir um “Mamããããe” que não existe vindo lá do berço, pois o filho foi dormir no pai. 

Então amiga casada, antes de achar que minha vida é um mar de rosas, de glamour, baladas e manicure a cada quinze dias, saiba que não é não. Como eu disse, é um saco. UM SACO.




16 comentários:

  1. É bem isso mesmo, Thata. Sou mãe solteira (separada) há 3 anos, filhota tinha quase 4 na época, e já passei muitos perrengues. Mas a notícia boa pra quem tá com a filha chegando #aos7: viramos super parceiras, ela me ajuda muito a resolver os dilemas com o pai, me apontando as melhores soluções, e estamos construindo um lar de verdade, com muito amor e parceria. Arrumei um curso pra fazer aos finais de semana "livres" (hahahahaha adoro essa palavra livre pra quem é mãe solteira) e tô quase no fim de um MBA. Ajudou a preencher esse vazio que fica, que é bom mas é ruim. E aos poucos a gente encontra outros avulsos para sair, e sim, há vida (noturna e adulta) para mães solteiras também. Força. Tamo junta.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Deh! Bom saber que eu não sou a única s sentir esse vazio. A vida melhora, né? Tomara!!! Beijão!

      Excluir
  2. Sim, há vazios mesmo. E, no meu caso, houve muita engorda. Falta do que fazer + solidão + desilusão amorosa pós-casamento + preguiça de voltar a paquerar = comer = engordar. Mas, olha, como disse a Deh aí em cima, João se tornou um companheirão. Faz 2 anos que estou separada (johnnys agora tem 4) e ele vive dizendo que prefere ficar comigo do que com o pai (fico me achando #infantil). Nossa relação de mãe e filho melhorou 1.000%. E a minha relação com o trabalho e com os projetos pessoais também. Acho que é uma construção diária. Um dia, o vazio vai sendo preenchido ;-) beijocas

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fabi, eu ao contrário emagreci muito desde que separei. Dudu lida bem com a separação, sabe que tem a casa dele e da mamãe e a casa do papai, mas é difícil. Ainda tenho um longo caminho a trilhar e me redescobrir como pessoa avulsa nesse mundo. Beijos pra vc e pro João!

      Excluir
  3. Minha mãe concordou, ela ficou viúva com filha de 1 mês pra cuidar, era pai, era mãe, era trabalhar para me manter, era ter que deixar na casa da vó, era só me ver a noite, era não sair no final de semana, era ter que correr pro hospital comigo doente, era ter que ir pra capital para me levar ao pediatra, era estressante, um saco, mas no final vale a pena. Quando eu tinha 4 anos ela começou a namorar de novo, e o meu padrasto é muito importante para mim até hoje. Então ela disse que sempre confiou que "dias melhores virão", sim e nós sabemos que eles virão, como os beatles cantavam, here comes the sun! Dias melhores, noites melhores, muito amor!

    Beijos
    http://irmacorujando.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Isabelle, não é uma vida fácil, não mesmo, mas exemplos como o da sua mãe me fazem ter esperança de que os dias melhores virão sim.
      Bjs!

      Excluir
  4. Força aí Thata!
    Logo tudo se ajeita e você vai ter a certeza que tudo só acontece para melhorar, porque vem coisa melhor por aí!
    Você está mais linda agora, isso é verdade!
    beijao
    Lele

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ahhh Lele, sua linda!
      Na maioria das vezes confio que o melhor vai chegar, mas demora né? kkkk
      Bjs

      Excluir
  5. Imagino que deve ser bem dificil mesmo, fico doidinha qd meu marido viaja e olha que nao eh frequente. Mas apesar de tudo imagino que deve ser melhor do que um casamento ruim... Forca ai , daqui a pouco seu filho cresce a fase passa. Voce eh nova e mt agua ainda vai rolar ;)

    ResponderExcluir
  6. Sou casada e não vi diferença da vida de mãe solteira pra sua vida. Fora as noites insones, que faz 6 meses marido ajuda....(bebê tem dois anos)...o resto faço igual vc, tudo. Administro casa, criança, e coisas do marido também. E jamais tenho um fds livre. Aliás, ele era casado, e às vezes invejo a vida da ex-mulher, que toda sexta e sábado se arruma toda e pode sair passear a vontade. Eu? Olho nossas filhas. ;)

    ResponderExcluir
  7. Poxa... que bom ler esses comentários, achei que era única avulsa neste mundo, rsrsr
    Minha pequena hoje tem 2 anos e eu ainda não me reencontrei. São muitas magoas porque a relação com o pai dela não está 100% resolvida e pior, não tenho dias "livres", pois vivemos em cidades diferentes.
    Enquanto trabalho, ela fica na creche tempo integral, final do dia, vou busca-la e vamos para casa. Muitas coisas para fazer em casa, não consigo achar um tempo para mim. Não vou a manicure, salão e muito menos academia. Estou vendo a hora de pirrar de vez.

    beijos

    ResponderExcluir
  8. Sou filha de mãe solteira... ela mim criou sozinha com a ajuda de poucos foram épocas muitos difíceis mais graças ao meu bom Deus nunca nós faltou nada e é com muito orgulho que eu digo que eu tenho uma guerreira dentro de casa.

    ResponderExcluir
  9. Acredito que nós mulheres mães solteiras, não somos esse bicho todo de sete cabeças não... o fato é que não somos mais menininhas, somos mulheres não estamos mais afogadas em um relaconamento sem futuro, e que precisamos apenas aceitar é que somos responsaveis por nossas escolhas e se é pra andar bonitinha e toda fofnha, malhar e se cuidar.. e também esse negócio de que não da pra sar a noite isso é bobagem, pois se for pra arrumar um par de dia também se faz isso... Olha vamos nos aceitar como mulheres mães e pessoas que independente dos "padrões" estamos aqui pra fazer bem nosso papel de mãe e reescrever nossa vida amorosa. Também sou mãe solteira me separei faz um ano, trabalho estudo e tenho uma filha, voltei a malhar e no momento estou sozinha, não sou de balada, estou em uma fase que acredito que seja a de voltar a me amar a de me reencontrar, e aprender a ser mãe solteira. porque pai isso nunca serei... Portanto acredito due esse é um momento de aprendizado. Bjs

    ResponderExcluir
  10. Aih meninas.. eu tb tô nessa com vocês.. não me separei do pai do meu neném, (aliás, ele nunca que veio vê-lo).. fim de semana sozinha?? Vida social?? Balada?? Desde que engravidei não sei nem de longe o que é isso.. Rafa já vai fazer 1 aninho e a unica coisa parecida com um relacionamento que tive foi o primo da amiga que achou bonitinha.. depois que viu que tinha que me dividir com o pequeno, partiu pra bem longe..

    Mas vale a pena.. ah, como vale..

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Vale sim, com certeza! É tudo questão de adaptação! Bjs

      Excluir

obrigada pelo comentário!