terça-feira, 7 de fevereiro de 2012

A mulher que vira mãe que vira mulher


Durante a gravidez, a não ser que haja algo muito errado com a mulher, a tendência é que ela se sinta muito bonita. Efeito dos hormônios? Talvez! Mas é fato que durante boa parte dos nove meses a mulher se sente bonita em todos os aspectos, os cabelos brilham, a pele fica uma seda, os pneuzinhos dão lugar às curvas, enfim, tudo colabora para que a mulher fique mesmo bonita. Com os elogios então, a auto-estima vai lá pra cima, é uma beleza. Não sei vocês, mas quando eu fiquei grávida me sentia linda, mesmo com 17 quilos a mais na silhueta.

Aí o bebê nasce e as atenções se voltam obviamente para ele (ou você queria que fosse diferente?). Ainda na maternidade as atenções são divididas, mas tem gente pra servir, cuidar, paparicar você e o bebê. Só que ao final dos três dias de internação, a mamãe volta pra casa com um bebezinho no colo e um mais turbilhão de responsabilidades: dar de mamar, dar banho, trocar, fazer dormir, além de todas as responsabilidades com a casa. Em pouco tempo a mamãe se sente esgotada, sem tempo para dormir, comer, tomando uma chuveirada as 11 da noite. Passa o dia de pijama, descabelada, sem tempo pra nada. É natural que essa fase de adaptação seja assim mesmo, afinal tem uma pessoinha ali dependendo inteiramente da mãe para sobreviver, mas passada essa fase de adaptação é fundamental que a nova mãe comece a pensar um pouco mais nela, afinal além de mãe há também uma esposa, namorada, profissional, não é?

Durante os cinco meses que fiquei em casa eu abdiquei de toda e qualquer vaidade, de maneira involuntária mesmo. Eu, que religiosamente escovava meus cabelos 4 vezes por semana, só saia de casa maquiada e de unha feita, me vi em uma situação em que mal tinha tempo de lavar os cabelos, unhas então? Fiquei todos esses meses sem passar um esmalte, sobrancelha horrorosa. Ao sair de casa nenhuma roupa de antes me servia, amarrava o cabelo num rabo, jogava óculos de grau na cara e saia pra fazer o que eu tinha que fazer. Isso não me afetou por um bom tempo, já que minha dedicação tinha que ser 100% ao filhote e não a mim. Passou a me incomodar um dia ao sair de casa e olhar no espelho do elevador uma pessoa com a pele feia, os cabelos mal cuidados, com roupas que eu nunca sairia de casa antes. Aquilo me fez acordar, eu tinha que voltar a cuidar de mim!

Acho que o grande momento da revelação para muitas (e foi pra mim também) é a volta a vida normal. No meu caso foi o meu trabalho, mas no caso de quem não trabalha fora é a volta as atividades do dia a dia, ir ao mercado, ao correio, cuidar da casa, organizar a vida. Ou voltar aos estudos, tanto faz. O importante é que em algum momento você vai deixar de ser mãe em tempo integral pra ser um pouco mais dona-de-casa, um pouco mais profissional, um pouco mais estudante. Você não precisa de roupas novas nem de maquiagens caras, nada disso. Precisa voltar a enxergar que há uma mulher por trás da mamãe e aí reencontrá-la.

E apesar do encontro comigo mesmo ainda não ter ocorrido totalmente, tem sido muito bom redescobrir meu guarda-roupa, minhas maquiagens, meus acessórios. Minha redescoberta tem sido gradual mas muito gratificante. Descobri que eu posso ser tudo isso e mais um pouco, com a sensação de dever cumprido.

9 comentários:

  1. Depois que me tornei mãe me transformei!
    Não tinha e ainda não tenho muito ânimo de comprar roupas, deve ser pq ainda me resta 10 kg da gravidez...
    Abandonei o salto alto no trabalho...só uso em ocasiões especiais, escova nos cabelos? Oq é isso?! 

    Em 2012 resolvi que iria mudar esse quadro, me matriculei na academia, essa é a 3º semana que bato ponto lá de segunda a sexta, não falto nem um dia! Sinto que estou emagrecendo, estou mais vaidosa, mais disposta, enfim...estou aos poucos voltando a ser aquela mulher vaidosa de antes! Oremos...hahah
    Bjos

    ResponderExcluir
  2. Acho q reencontrar-se é uma fase complicada, pq a gente não quer deixar nenhum minutinho de lado nosso bebê.
    Beijos,
    Ana Carolina

    ResponderExcluir
  3. Thata, eu não senti nenhuma beleza na gravidez! Enchi de espinhas, era magrinha e engordei bilhões, me achava horrorosa!!!! Despois que Lucas nasceu eu te juro que continuei indo ao salão toda semana, arrumando minhas unhas, cabelo, sombrancelha e tals... Tem horas que realmente acho que não sou normal, que talvez eu não deveria ter sido mãe, pq nunca me deixei de lado por causa dos filhos... Sou ET?

    ResponderExcluir
  4. Aqui o processo foi parecido. Se amaf, se cuidar é sempre bom.

    ResponderExcluir
  5. Thata arrasou no texto!!! Tão lindona hoje e não dá pra imaginar o dia que relaxou da beleza! Eu fiquei pouco tempo sem me cuidar, como fiquei um ano de licença-maternidade podia fazer horários alternativos no salão por exemplo, Luna no sling e nesse dia a cabeleireira não marcava química, por exemplo!
    Até hoje ela vai ao salão comigo!!! Só que agora faz as unhas!! Mãe de menina é foda!
    rsrsrs

    ResponderExcluir
  6. É isso aí Gaby! Se acomodar é a solução mais fácil, se deixar a gente fica nesse marasmo pra sempre!
    Boa sorte na academia e continue sempre com essa disposição! Um beijo!!

    ResponderExcluir
  7. Concordo, mas uma hora a gente tem que sair dessa vida, é fundamental. Dá preguiça, mas é importante!

    Beijo

    ResponderExcluir
  8. Não é ET não! Te admiro muito por ter tido esse tempo, eu não tinha (nem tenho) ajuda pra poder deixar o Dudu e ir cuidar de mim, mas aos poucos eu vou me ajeitando. Quero ser igual vc!!! Muah!

    ResponderExcluir
  9. Que bom Rose! Eu fiquei cinco meses em casa e esqueci completamente de mim, quando saía de casa era de qualquer jeito. Mas ainda bem que consegui reverter a situação e as coisas estão voltando ao que eram antes.
    Beijos em vcs!!

    ResponderExcluir

obrigada pelo comentário!