quinta-feira, 15 de dezembro de 2011

Loucura Paterna: Desafios de ser pai!



Minha mãe vivia me dizendo uma frase: ¨Certas coisas você só vai entender quando tiver seus filhos¨. Ela tinha toda razão.


Quando a gente é só filho, não tem noção da complexidade da vida. Ter alguém que depende de você para se alimentar, se limpar, ter saúde, conhecer o mundo é uma responsabilidade quase enlouquecedora, ainda mais levando-se em consideração o mundo que vivemos, que, por um lado é cheio de oportunidades e com constantes mudanças, mas por outro perversamente injusto e cheio de maldade.


A criança é cheia de necessidades, físicas e emocionais. Precisam ser nutridas, emocionalmente inclusive.
Educar por exemplo, é a forma mais eficiente, e de longe a mais difícil. Sei que minha filha se esquecerá de muitas coisas que eu lhe disser, mas jamais vai se esquecer do que me viu fazer, seja isso bom ou ruim.


Mas, afinal, o que eu quero mostrar a ela? E mais, o que eu não quero mostrar? O que eu não quero que ela aprenda?


Não quero que ela cresça achando que o mundo é ¨cada um com seus problemas¨. Não, o mundo não é assim. Se compartilharmos os nossos problemas, compartilharemos também soluções para eles.


Não quero ensinar para ela que o importante nesse mundo é ser bem sucedido. Por que o conceito de bem sucedido só leva em conta coisas passageiras e efêmeras. ¨Ser alguém na vida¨ é uma das maiores asneiras que existe. Quero ensinar que ela já é alguém, e mais sucesso ela terá na vida quanto mais autêntica ela for.


Não quero ensiná-la a obediência a todas as regras e conceitos pré-fabricados. Quero que ela questione, que pense, que forme suas próprias conclusões. O mundo atual precisa de rebeldes.


Se eu serei capaz de ensinar tudo o que quero a ela? Certamente que não. Mas o trabalho de ser pai não finda nunca.


Quero ser para minha filha um porto seguro, alguém que ela saiba que será capaz de elogiá-la, apoiá-la, e, quando ela cometer erros mostrar amor.


Quero mostrar a ela que, no curso da vida, erramos e acertamos, e que ela nunca ficará tão madura a ponto de não precisar de um pai.


Ainda que este pai não seja perfeito, que se irrite, que se canse, que seja incoerente ás vezes, ele sempre estará á disposição dela.


Jamais serei o pai ideal para ela, mas quero ser o melhor pai possível.


Abraços!


Até a próxima.
Alexandre, pai da Sofia e marido da Fabi

9 comentários:

  1. Acho q o mais dificil em ser pai é superar os medos e aceitar q eles nunca vão ser a mãe mas  pais maravilhosos e adorados pelos filhos.Não se trata de competição entre pai e mãe se trata de AMOR e esse tem para os dois com maneiras diferentes de se manifestar.

    ResponderExcluir
  2. Nossa, esse Alexandre tem telefone???
    =oP

    Ai, ai!

    ResponderExcluir
  3. Own, é isso mesmo, desafios de ser pai tb existem neh? educar é trabalhos dos dois!
    Adorei!

    ResponderExcluir
  4. Adorei o texto... ótima reflexão para todos !
    bjs 
    Angel e Pedrinho

    ResponderExcluir
  5. Acho que com esse pensamento e essa atitude, você já é um ótimo pai. Certamente vai errar muitas vezes, porque é humano, mas buscará sempre o acerto e é essa busca que conta!

    A Soft e a Manu certamente estão "bem servidas", tanto de pai, quanto de mãe.

    Abraços

    ResponderExcluir
  6. Soft e Manu serão ótimas pessoas com os pais que tem!

    ResponderExcluir

Agradecemos o seu comentário!!