terça-feira, 22 de julho de 2014

Amamentar em qualquer lugar?

Fomos almoçar no shopping, e logo ao lado de nossa mesa tinha uma mulher amamentando seu filho.
Assim ali na praça de alimentação.
A praça de alimentação cheia e a mesa em frente a dela vazia.
Muitos passavam pela mesa vazia, olhavam a cena e desviavam da mesa.

Fiquei pensando se a mulher estava errada. 
Afinal, este shopping possui um espaço muito bom para amamentação. Poltrona confortável, espaço para bolsa, local para lavar as mãos, enfim um local agradável.

No primeiro momento fiquei pensando que ela estava errada por nem ao menos cobrir um pouco do seio, pois ali era um local onde as pessoas estão comendo.
Ao final deste pensamento já tive a resposta: a criança também estava sendo alimentada. Ou seja, não há nada de errado. E sim um estranhamento em fazer um ato comum em algo que alguns acham que deva ser privado.

Inúmeras vezes já ouvi pessoas falando para colocar paninho na cabeça da criança ou cobrir o seio para a mulher não ficar exposta. Exposta como? Sexualmente?
Ah não amamente em público pq alguém pode ficar olhando.

Li estes dias um texto na tl do facebook um texto (vou procurar e linkar aqui quando achar) que falava que se vc restringe o local para amamentação (não importa qual local seja) você é contra a amamentação.
Isto não saiu da minha cabeça. E quando me deparei com a situação do shopping, vi que é verdadeiro. Afinal, a mulher teria que deixar seu almoço esfriando ou jogá-lo fora para se "resguardar" durante a amamentação do seu filho.

Se eu faria o mesmo que a mulher? Não, mas isto é uma opção minha.
E olha que nem é pelo pudor, mas pelo meu conforto, se posso descansar e relaxar durante a amamentação pq não?

E fica a pergunta: você é a favor da amamentação, independente do local em que ocorra?

segunda-feira, 14 de julho de 2014

Maternidade e solidão


Nasce um bebê e você acha que estará dali para frente com um companheiro para a vida.
Mas não é bem assim.
O cuidar do bebê nos primeiros meses é exaustivo.
Amamentação, fraldas, choro, cólica, sono alternam sem fim.
E tem aquele monte de palpite... (escrevo um post sobre palpite em outra oportunidade)
Em média 3 meses de pura entrega para seu bebê, que não fala, que interage através de alguns sorrisos e um bocado de choro.
Você é retirada de muitas atividades sociais por não querer expor o bebê sem necessidade ou simplesmente pelo cansaço. O seu cabelo tá caindo, suas olheiras estão profundas e as roupas estranhas. Além do guarda-roupa se resumir a três/quatro camisas que você não aguenta mais olhar.
Muitas pessoas deixam de ir na sua casa para não te atrapalhar, os avós vão na sua casa ou passam uns dias por lá. Alguns amigos vem passam uma ou duas horas na sua casa, mas há pouco assunto além do bebê, que para você é essencial, mas para eles nem tanto. Eles amam vc e seu bebê, mas se cansam do mesmo assunto.
Eu falo isto, pq já fui a amiga sem filhos ou com filho maior visitando alguém que tem bebê pequeno. E o assunto é repetitivo: não dorme, cólica, só mama, chora muito, estou com sono, preciso tomar um banho decente. 
O marido/pai da criança se esforça trocando fraldas, dando banho, mas você não desliga, nem mesmo tirando aquele cochilinho.
É quando você para e pensa: onde estão as pessoas?
Será que posso ligar ou chamar uma amiga(o), mãe/pai, irmão(a), vizinho, tia/tio, porteiro, chefe a qualquer hora do dia? Quando a casa está pegando fogo ou quando bate aquela solidão?
Nem sempre. 
Claro, que existem pessoas mais disponíveis, mas elas estão sempre a sua disposição?
É um tempo curto, que passa, aos poucos vc se organiza, o bebê entra num ritmo diferente e tudo se ajusta a nova vida, aos novos interesses.
A solidão vai se diluindo. 
Aquela solidão, aquele momento que você se reorganiza internamente para voltar ao mundo de uma forma diferente.
A maternidade mostra que esta solidão passa, te fortalece e em breve um companheiro de verdade está crescendo por você não deixá-lo só.

Sugiro leitura do livro:

A maternidade e o encontro com a própria sombra
Laura Gutman

Acabei de reler, os sentimentos aflorados pós nascimento do Gustavo me fizeram enxergar coisas que antes não entendi.

terça-feira, 8 de julho de 2014

Séries, mais séries!!!


Pessoa insone.
Antes uma barrigona que não deixava dormir, agora bebê pequeno. 
O que eu faço?
Leio ou assisto série, depende do humor (ou falta dele).

Olha algumas dicas (já postei algumas que gostei antes)

Fargo

Lembram-se do filme?
No mesmo esquema do filme a série. Achei demais.
Está na primeira temporada, 10 episódios apenas.
Tudo começa quando Lester conheço Malvo, um matador de aluguel, e uma série de assassinatos começa a acontecer numa pacata cidade. Muito bom!

Link para assistir: http://www.seriesvideobb.com/2014/04/assistir-fargo-1-temporada-online.html



Orange is the new black

Pipe cometeu um crime quando namorava Alex e foi condenada. 
Ela vai para a cadeia e deixa o novo noivo esperando fora da cadeia. Lá ela encontra Alex e a realidade da cadeia com muitos personagens interessantes. Uma série basicamente feminina, que mostra os conflitos de Pipe com o mundo exterior e dentro da cadeia.
Tem duas temporadas (foi renovada para uma terceira) 13 episódios cada.
Está disponível no Netflix.



House of Cards

Francis Underwood é um político sem escrúpulos que juntamente com sua esposa Claire (linda e magra - quero o cabelo e o corpo dela!!!) manipulam políticos, jornalistas e todos ao seu redor para conseguir o que almejam- o que não é pouco.
Gostei muito das duas temporadas. A primeira terminou fiquei sem fôlego! Ainda bem que a segunda temporada já estava disponível para não ficar naquelas de imaginar o que ia acontecer. 
Para quem gosta de um drama político é um prato cheio.
Duas temporadas (13 episódios cada) e foi renovada também.
Está disponível no Netflix.



Scandal

Olivia Piper é uma consultora de relações públicas sempre envolvida em resolver problemas de imagens de seus clientes. Ela tem um escritório e colaboradores (com histórias incriveis!!!) que a ajudam nem sempre da forma mais correta.
Além disto Olivia tem seus dramas pessoais: o pai e a mãe (surpreeendente!!!).
Ela ajudou a eleger o presidente Fitz e de quebra se apaixonaram.
Eu acho ela um tanto "tonta", pois sabe que ele não vai largar a esposa e a Casa Branca para ficar com ela, mas sempre se rende aos encantos dele e sofre.
Ponto alto da série em muitos episódios são a esposa do presidente e o seu secretário de governo (apaixonantes). 
Drama político.
Por enquanto 3 temporadas (1ª temporada 7 episódios, 2ª e 3ª em média 20 episódios cada),  foi renovada também.

Link para assistir: http://www.seriesvideobb.com/category/scandal


Tem alguma série para indicar??

terça-feira, 1 de julho de 2014

Amamentar não é moleza

A história de amamentação do João Pedro foi complicada. Pra resumir depois de uns 3 meses de sofrimento com rachaduras, sangramentos de bico e afins, parei de produzir leite de um dia pro outro.

Para a história não se repetir com Gustavo, me preparei para amamentar. Não fiz nada específico para preparar os seios, porém, li bastante, conversei sobre o tema e tomei algumas decisões antes dele nascer: amamentação exclusiva e sem mamadeira na lista de enxoval.
Passado um pouco mais de 1 mês de nascimento do Gustavo, posso dizer que não é fácil manter esta decisão, mas está dando certo.
Noites sem dormir, bebê telesena (acorda de hora em hora para mamar), peito cheio de leite e um bebê gordinho.

Na maternidade ainda, tive uma boa orientação sobre amamentação. A enfermeira responsável passou bastante tempo comigo, tirando dúvidas, dando algumas dicas que foram fundamentais para que conseguisse amamentar sem sofrimento e sangramentos de bico do seio. 
Ela orientou evitar absorvente de seio, pois o bico do seio fica pressionando contra o absorvente e pode aumentar uma possível fissura.
Além disto orientou a usar a concha protegendo o bico. Funcionou aliada a pomada de lanolina que estou usando desde o nascimento do Gustavo.

A concha deve ter alguns cuidados básicos. Lavar muito bem, ferver por 10 minutos todos os dias.
Mesmo assim, tive uma pequena irritação nos seios (não no bico do seio) que tem várias causas, entre elas o ambiente úmido que o seio fica exposto. Nada grave, superado facilmente deixando os seios sem sutiã e concha por algumas horas do dia.

Quando saí da maternidade o pediatra de lá me deixou uma receita de leite, com indicação de marca e tudo mais. Fiquei indignada.
Falei que não era adequado este tipo de indicação e ele sorriu e virou para meu marido e falou:
- Compre o leite XXX e uma mamadeira. Esconda. Quando o bebê chorar a noite inteira vc vai lá e dá. Ela vai te agradecer.
Só respondi que não ia ter leite em pó em casa, só se fosse realmente necessário. Ele nem respondeu.

Passei em dois pediatras (sou neurótica- me deixa) e os dois afirmaram que ele não precisa de leite artificial pois está engordando direitinho. Já escolhi o pediatra. Gostava muito da pediatra do JP, mas devido a distância não é viável levar Gustavo mensalmente até ela.

Viemos para casa e está sendo tranquilo na medida do possível. Tem dias que tenho vontade de sumir para dormir duas horas seguidas. Mas no fim das contas, estou conseguindo.
Comprei uma bomba para retirar leite e armazenar, pq se precisar sair (nunca se sabe) tem leite para ele.

Sentir dor amamentando não é normal. Senti muita dor quando amamentei da primeira vez. Faltou orientação? Acho que talvez a orientação tenha sido insuficiente. 
Ainda acho que amamentar não seja lindo como aparece na televisão. Pq as mães estão todas maquiadas com cabelos escovados e sorrindo.
Duvido que elas estejam assim as 2h, as 3h, as 4h da manhã... 
Porém não é um calvário. 
E eu sei que vai melhorar, vamos nos ajustar nos horários. 

Ele não pegou muito a chupeta. Na maternidade dei chupeta, ele pegou. Mas chegando em casa ele quase não pega. Não insisto. Ás vezes quem está me ajudando com ele pega a chupeta e oferece para ele, não tendo sucesso. Não sei se isto é bom. Porém dizem que chupeta é para acalmar pai e mãe e não a criança. Pode ser que agora seja bom não usar mesmo a chupeta, mas vai saber mais pra frente. Lembro com JP que só chupeta o acalmava em algumas situações. E depois tem que tirar chupeta... vamos ver como isto flui. Sem neuras.

Minha meta com a amamentação é ser exclusiva até eu voltar a trabalhar. 5 meses. 
Sei que o ideal são 6 meses. Porém volto a trabalhar antes.
Logicamente vou deixar leite materno para ele, mas não sei se será o suficiente. Vou deixar para pensar nisto quando tiver que voltar ao trabalho. Ainda não sei se ele vai pra escolinha, vou contratar alguém ou ainda deixá-lo com as avós que moram longe. Mais uma decisão para depois.

A minha dica principal é: orientação correta. Converse, pergunte, ligue no banco de leite, vá ao posto de saúde, chame no bate papo aquela sua amiga que amamentou, entre em fóruns de amamentação. E saiba que quanto mais orientação melhor para vc e para seu bebê. 

Amamentar não é moleza, porém é uma experiência maravilhosa quando vc e seu bebê estão bem.

Nosso email é contato@loucuramaterna.com caso precise de ajuda, podemos indicar fóruns, assessoras para gestantes/lactantes que ajudam, bancos de leite na sua cidade ou se vc quiser desabafar pode também. 
As vezes falar já ajuda muito. E sem julgamentos com quem faz escolhas diferentes da nossa.